Empresa cria programa para ajudar bióloga no registo de cachalotes nos Açores

Direitos Reservados

Há 30 anos que a bióloga marinha Lisa Steiner regista os cachalotes que passam pelos Açores, comparando as caudas através de fotografias, mas um programa criado por uma empresa tecnológica tornou o processo mais rápido.

“Com esta tecnologia, a minha vida vai ser muito mais simples. Só preciso de fazer o ‘upload’ e esperar alguns minutos, voltar e fazer a combinação. Antes, eu precisava de tirar manualmente o contorno da cauda do cachalote”, afirmou, em declarações à Lusa.

Lisa descobriu os Açores no final da década de 80, num projeto do Fundo Internacional para o Bem‑Estar Animal.

Hoje é investigadora independente e guia de observação de cetáceos, mas continua a fotografar cachalotes e a registá-los numa base de dados com perto de 3.000 animais identificados.

A cauda das baleias funciona “quase como as impressões digitais” e é através da comparação de fotografias das caudas que Lisa consegue perceber se aquele animal já passou pelos Açores noutros anos ou até mesmo que percurso fez, se tiver acesso a fotografias tiradas noutros locais.

“Tenho alguns animais na base de dados que foram vistos em 1988 e que continuam a ser avistados hoje com o mesmo grupo de baleias. As fêmeas ficam em grupo a vida inteira, os machos é que saem do grupo quando têm entre 13 a 15 anos”, revelou.

Em média, uma baleia vive cerca de 70 anos e, na maior parte das vezes, “não há mudanças na cauda”.

O processo era, contudo, moroso, porque implicava a comparação, foto a foto, da cauda dos cachalotes que integram já a base de dados da investigadora.

O programa “Fluke Tracker”, que recorre a tecnologia de ‘machine learning’ partiu da ideia de uma funcionária da Capgemini, empresa parceira da Amazon Web Services (AWS), que participou num dos passeios de observação de cetáceos guiados por Lisa Steiner.

“Quando ela voltou ao escritório propôs o projeto internamente e o Capgimini decidiu organizar um ‘hackathon’, uma competição interna, com centenas de equipas a trabalhar no problema. Uma delas acabou por construir um modelo de ‘machine learning’ com esta coleção de fotografias de baleias, capaz de identificar baleias com base nas fotografias das caudas de forma muito precisa”, revelou à Lusa, Julien Simon, da AWS.

Para o engenheiro da Amazon Web Services este programa é um exemplo de como a tecnologia pode ser colocada ao serviço da população.

“É uma história muito interessante. A Lisa Steiner obviamente não é uma especialista em tecnologias de informação. Ela diz, aliás, que não percebe muito disso, mas trabalhando com a equipa do Capgimini conseguiu construir esta aplicação e descobrir muitas combinações de imagens que ela tinha deixado escapar ao longo dos anos”, salientou.

O programa recorre a uma tecnologia de visão computacional, que permite “automatizar o processo de análise de imagens”, utilizada, por exemplo, na condução automática ou nos avanços da medicina.

O “Fluke Tracker” está disponível numa página da Internet e qualquer pessoa pode carregar fotografias e partilhá-las com Lisa Steiner ou outros investigadores.

“Um dos objetivos deste projeto é encorajar pessoas por todo o mundo a partilhar imagens e tentar alargar o trabalho realizado pela Lisa Steiner nos Açores a outras partes do mundo”, sublinhou Julien Simon.

A investigadora considera que o programa pode ser uma ferramenta importante para identificar os padrões migratórios dos cachalotes, que permitam servir de base a estudos para auxiliar decisões políticas sobre a conservação da espécie.

“É preciso é que as pessoas carreguem as fotos no programa. Se ninguém o usar, é igual. Se as pessoas que fazem ‘whale watching’ no Canadá, na Noruega ou nas Canárias tirarem fotos, ajudam neste trabalho. Os biólogos não podem ficar em todos os sítios ao mesmo tempo”, frisou.

O número de cachalotes avistados nos Açores tem vindo a crescer, mas ainda é cerca de 20 a 30% do número máximo registado na região.

“Penso que a população está a crescer devagarinho. Os cachalotes não têm crias todos os anos. Mais ou menos de seis em seis anos há uma cria. Por isso, a população cresce devagarinho. E nem todas as crias sobrevivem”, explicou a bióloga.

Para além da investigação a que se dedica há mais de 30 anos, Lisa Steiner tem uma verdadeira paixão pelas baleias, que acompanha todos os anos no mar dos Açores.

“Isto é a minha vida. Quando eu estou no mar e avisto algum cachalote, nalguns casos reconheço a cauda, mesmo sem programa nem nada. Gosto de ver as minhas amigas baleias a cada ano quando vou para o mar das primeiras vezes e reconheço-as e vejo que sobreviveram ao inverno”, contou.

Lusa/+central

Link permanente para este artigo: https://maiscentral.com.pt/empresa-cria-programa-para-ajudar-biologa-no-registo-de-cachalotes-nos-acores/