CDS-PP denuncia fim de rotas da SATA para favorecer companhias low-cost

O presidente do CDS-PP Açores criticou hoje o encerramento da ligação semanal Terceira-Porto, a partir de outubro próximo, considerando ser um “negociozinho” a favor das low cost.

Artur Lima anunciou que vai apresentar no Parlamento Açoriano duas iniciativas no sentido de reverter a decisão anunciada pela Azores Airlines, e considerou que o Governo Regional não pode permitir “que se favoreça a Ryanair que não tem tido as taxas de ocupação que pretende”.

“A Terceira está cada vez mais marginalizada no contexto regional. Acabou de tomar posse uma nova Secretária Regional dos Transportes e a primeira medida que toma é acabar com uma ligação que tem dez anos e que sempre foi reivindicada pelos terceirenses. A Terceira não admite que a SATA brinque connosco. Esta rota resulta de uma proposta feita e aprovada no Parlamento, para que se realizasse todo o ano e com duas ligações por semana no verão. Que eu saiba esta resolução da Assembleia ainda está em vigor pelo que a SATA e o Governo Regional vão ter que explicar porque desrespeitam uma resolução da Assembleia Regional”, afirmou.

Artur Lima “quer saber todas as taxas de ocupação da SATA para todas as rotas para onde voa, porque se a decisão de acabar com rotas prende-se com taxas de ocupação que variam entre 40 e 60% então a SATA tem que se preparar para começar a parar os seus aviões. Qual é a taxa de ocupação da SATA nos voos que faz para Barcelona e para Cabo Verde? Queremos saber e vamos também entregar um requerimento a solicitar as taxas de ocupação da Azores Airlines para todas as rotas que realiza”.

O também líder parlamentar democrata-cristão criticou ainda “a desonestidade” de quem avançou com a noticia do fim da rota Terceira-Porto justificando com as alegadas baixas taxas de ocupação, uma vez que, disse, “inicialmente esta operação era feita com a A320, avião com capacidade para 160 passageiros e, por conveniência da SATA, passou a ser realizada com um avião A310, com capacidade para 222 passageiros, ou seja, mas 60 lugares. Citando António Guterres, basta fazer as contas”, ironizou.

Artur Lima foi mais longe e frisou que esta decisão “é mais um atentado contra a Terceira”, considerando que esta decisão da SATA parece configurar “mais uma tentativa da SATA favorecer a Ryanair que não tem tido as taxas de ocupação desejáveis e, portanto, é mais um negociozinho que já vem de trás, continua agora e vai para frente, e, já agora, se me quiserem processar, como está na moda agora no PS, processem, por esse negociozinho que andam a fazer com as companhias low cost”.

 

 

 

 

GI CDS-PP/+central

 

Link permanente para este artigo: https://maiscentral.com.pt/cds-pp-denuncia-fim-de-rotas-da-sata-para-favorecer-companhias-low-cost/