Momentos — Opinião de Inês Sá

E assim chega ao fim mais um ano letivo e o início das férias de verão.

Por esta altura, o núcleo duro divide-se. O mais velho, à medida que se começa a aproximar o fim das tarefas escolares, começa a entrar num estado de euforia difícil de controlar, qual revolução dos cravos ou grito de liberdade! A ilha do Pico espera-o e ao contrário dos anos anteriores, com a mudança de toda a família para o Faial, este ano a distância representa apenas 30 minutos a bordo do “Mestre Simão”, o que facilita bastante a gestão das saudades. O relógio ficou atrás e deixou de fazer sentido, o despertador já foi recusado e eliminado o modo automático, a mochila que durante meses se ocupou da árdua tarefa de transportar livros, cadernos, réguas, cadernetas, acrescida pontualmente do peso bruto da responsabilidade da sua avaliação, nos próximos meses passará apenas a transportar a toalha de praia, o protetor solar, o telemóvel e a coluna da moda, que não se cansa de dar voz aos famosos youtubers, que vão aumentando a sua popularidade na mesma proporção da sua estupidez, a que eu sou, involuntária e insistentemente, obrigada a assistir. A mais nova, ainda tem pela frente mais uma semana até acabar o seu primeiro ano escolar. Não houve um único dia que não entrasse no carro ao final do dia, dizendo o quanto estava “escalfada” que, traduzido para o dicionário corrente, daria qualquer coisa como esfalfada ou extremamente cansada. A ela, com apenas 6 anos, esta necessidade de ter de passar uma grande parte das férias longe dos pais, ainda lhe causa alguma apreensão. Prefere dividir-se entre a avó e o padrinho de S. Miguel e só em último recurso rumar à ilha do Pico. Ao contrário do irmão, estar em casa é coisa que não lhe faz qualquer confusão. Gosta do seu canto, tal como a mãe.

A rotina dos últimos meses entra assim em hibernação, com a promessa de voltar só lá para meados do mês de setembro. Nos primeiros dias tudo me soa a estranho. O carro continua a sair do trabalho em direção à escola, o silêncio que tantas vezes desejei ao longo do ano, chega agora com sabor a vazio, a incómodo, em diversos momentos até a amargo. Rapidamente me dou conta, de ter deixado algures num bocado de terra cercada por mar, grande parte de mim. Por estes dias começo a contar no calendário os dias de trabalho que me faltam para chegar às férias, sendo que este ano elas vêm carregadas de visitas, sem grande folga para o derradeiro descanso, mas com a expectativa de bons e intensos momentos. De facto, à medida que os anos passam, os nossos objetivos vão-se alterando tanto na forma como no conteúdo. As nossas prioridades baralham-se, outras vezes invertem-se totalmente, deixando muitas vezes o registo do momento exato de viragem. Este ano foi pródigo nestes momentos, especialmente quando confrontada com a fragilidade daqueles que, pela lei natural das coisas, sempre foram o meu porto seguro. Talvez também por isso, coisas tão comuns como a partilha, a companhia, o reencontro, a presença, o diálogo, a amizade, o afeto, mesmo que traduzidos apenas num momento, sejam hoje banalidades que tanto me satisfazem. No presente, ter acordado por mero acaso às 05h30m, ter decidido contemplar o nascer do sol ao mesmo tempo que escrevo este simples conjunto de palavras, foi também apenas um momento, que de tão despretensioso, me deliciou. Venham mais destes!

 

Link permanente para este artigo: http://maiscentral.com.pt/momentos-opiniao-de-ines-sa/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.