Madeira quer ser a “porta de entrada” de empresas norte-americanas

Miguel AlbuquerqueO presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, disse hoje à agência Lusa, em Toronto, que a Madeira pode ser uma “porta de entrada” importante para as empresas canadianas na Europa.

“Estamos prestes a estabelecer o Acordo Comercial e Económico com o Canadá e a União Europeia (falta ratificar). Pensamos que o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) pode ser uma porta de entrada importante para as empresas canadianas na Europa, e também em África ou na América Latina”, afirmou Miguel Albuquerque.

O líder do governo madeirense falava à Lusa durante um jantar na Casa da Madeira de Toronto, no sábado à noite, e que juntou cerca de duas centenas de convidados.

Nesta visita ao Canadá Miguel Albuquerque reuniu-se com empresários canadianos e lusodescendentes e com políticos, nomeadamente com o ministro das Finanças do Ontário, o luso-canadiano Charles Sousa, com o intuito de potenciar negócios entre a região e o país.

“O Centro Internacional de Negócios da Madeira será uma plataforma importante na internacionalização das empresas. Depois existem vantagem fiscais, há um acordo de para evitar dupla tributação entre Portugal e o Canadá (assinado em 1999), julgo que é muito importante. Depois temos as nossas comunidades aqui estabelecidas”, apontou.

Apesar de já existir uma cooperação internacional no setor empresarial, nomeadamente na África do Sul, o Governo Regional da Madeira pretende aproveitar a tentativa de internacionalização de alguma empresas canadianas para que estas “possam processar os seus negócios através do CINM”.

As novas tecnologias é uma área que Miguel Albuquerque pretende ver desenvolvida dada as potencialidades existentes no arquipélago, além de existir o M-ITI (Madeira Interactive Technologies Institute), dispõe ainda dos “melhores cursos universitários do mundo”.

Além disso na Madeira estão localizadas duas grandes companhias competitivas na área da tecnologia que podem facilmente “laborar no mercado dos Estados Unidos e do Canadá”, podendo trabalhar em algumas áreas que em Portugal “estão mais desenvolvidas com é o caso da “saúde”.

“Temos de estabelecer uma rede ao nível das nossas comunidades para melhorarmos a nossa internacionalização e a competitividade das nossas empresas e conquistar novos mercados”, sublinhou.

O turismo é outro dos setores que Miguel Albuquerque pretende cativar os norte americanos até porque tanto os Estados Unidos como o Canadá “é um mercado muito interessante de desenvolver”.

“O turismo representa 25% por cento do nosso Produto Interno Bruto (PIB). É evidente que no ano passado fizemos 6,630 milhões de dormidas, este ano já vamos terminar o ano com 7,200 milhões de dormidas, isto significa que estamos com uma média de ocupação atualmente é de mais de 80 %”, destacou.

O presidente do Governo Regional da Madeira deixou ainda uma palavra de apreço para a comunidade portuguesa, nomeadamente a de origem madeirense.

“As nossas comunidades são um orgulho e um exemplo para o país. Porque são numa sociedade como esta altamente competitiva nos Estados Unidos e no Canadá. Os portugueses e madeirenses vieram para esta terra, venceram e ultrapassam os obstáculos. São respeitados pelo seu trabalho e continuam a dar no seu contributo para a construção deste país”, concluiu.

Proveniente de Boston, nos Estados Unidos, Miguel Albuquerque chegou a Montreal no dia 4 de outubro, tendo seguido no dia 6 para Toronto. O seu regresso a Portugal está previsto para o próximo dia 10.

 

 

 

 

Foto: Direitos Reservados

NAM/+central

 

Link permanente para este artigo: http://maiscentral.com.pt/madeira-quer-ser-a-porta-de-entrada-de-empresas-norte-americanas/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.