Localização geográfica pode “trazer riqueza” aos Açores no âmbito da Economia do Mar

FragaO secretário regional do Turismo e Transportes destacou, na Terceira, a importância da ‘Economia do Mar’ para os Açores, realçando os investimentos feitos pelo Executivo na atual legislatura em áreas que vão desde o abastecimento de navios com energias alternativas até à potencialização do turismo náutico, tendo em vista aproveitar a localização do arquipélago e trazer riqueza para a Região.

Vítor Fraga, que falava no encerramento da conferência ‘Os Açores e a Economia do Mar’, frisou que, ao longo dos tempos, a Região soube alargar a sua ação nesta área para além da pesca e transportes marítimos, dando como exemplos o turismo costeiro e de cruzeiros, a exploração dos recursos minerais profundos, o aproveitamento da energia, a aquacultura ou a biotecnologia marinha.

“Estas são atividades em desenvolvimento, de relevante interesse para a Região e para a sua projeção no exterior”, frisou o secretário regional, indicando ainda que os Açores, pela sua localização, assim como pelas dimensões da sua Zona Económica Exclusiva e também da Plataforma Continental nacional, não podem prescindir de “tudo o que for relacionado com a ‘Economia do Mar’”.

Na sua intervenção, Vítor Fraga salientou a recente recomendação da Comissão de Ambiente do Parlamento Europeu para que seja instalada no arquipélago uma estação de abastecimento de navios com Gás Natural Liquefeito (GNL), acrescentando que esta medida promove “a localização geoestratégica dos Açores na rede europeia de fornecimento de GNL e maximiza as potencialidades do porto oceânico da Praia da Vitória”.

“Naturalmente que o potencial do Porto da Praia da Vitória não se encerra aqui”, considerou o secretário regional, relevando a importância de atrair investimento privado, para que a Região consiga captar uma cota do mercado transatlântico, no âmbito do projeto europeu das ‘Autoestradas do Mar’, assim como a necessidade de possibilitar o acesso deste investimento privado a fundos europeus e garantir a sua sustentabilidade financeira.

Ainda em matéria de sustentabilidade, Vítor Fraga realçou que o Governo dos Açores “assumiu desde sempre a responsabilidade de saber manter os seus ecossistemas”, indispensáveis ao desenvolvimento turístico de um assumido Destino de Natureza, e em que o turismo náutico se assume “como uma das maiores apostas” do Governo dos Açores, que investiu fortemente na promoção nesta área, tanto na valorização das atividades realizadas nas ilhas, como na realização de eventos para promoção do destino.

O governante destacou a importância de os Açores terem “excelentes infraestruturas portuárias” não só para os visitantes, mas também para os locais, frisando que o Executivo já investiu nos últimos oito anos mais de 185 milhões de euros em melhorias dos portos, com mais 41,5 milhões de euros de obras em curso, num investimento efetuado “no âmbito do principal objetivo do Governo dos Açores, ou seja, trabalhar em prol da melhoria das condições de vida de todos os Açorianos”.

Aludindo à importância dos portos como “portas de entrada e saída das ilhas”, permitindo dinamizar a economia, Vítor Fraga afirmou que o investimento nessas infraestruturas tornou a Região mais apetecível para o turismo ativo, como o demonstra o número de empresas de animação turística que, em quatro anos, “cresceu 67%, atingindo as 130”.

O secretário regional frisou que as principais apostas estratégicas do Governo dos Açores em matéria de ‘Economia do Mar’ passam por três áreas de ação, nomeadamente o conhecimento baseado na investigação científica, a conservação dos recursos marinhos e a sua exploração sustentável.

Vítor Fraga garantiu que a Região vai continuar a trabalhar “no sentido de garantir a sustentabilidade da exploração desses recursos”, assegurando sempre “a sua boa manutenção e salvaguarda” e promovendo, por essa via, a imagem dos Açores como uma região vibrante para o desenvolvimento de atividades relacionadas com a ‘Economia do Mar’.

“Sabemos que esta é uma das áreas com maior potencial de geração de emprego e crescimento económico não só nos Açores, mas também em todo o país e na Europa. Vamos, por todas as vias possíveis, continuar a assumir o nosso papel determinante no desenvolvimento dessa mesma economia”, afirmou.

 

 

 

 

GaCS/+central

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *