É tempo de vencer — Opinião de Sofia Ribeiro

O Verão político encontra-se bem quente, nos Açores, com duas candidaturas à Presidência do PSD/Açores, disputa sã e democrática que ultrapassa as fronteiras do Partido. Apesar deste acto eleitoral ser interno, no qual apenas podem votar os militantes do PSD/Açores, o vencedor disputará as próximas eleições legislativas regionais lado a lado com Vasco Cordeiro. Ambos os candidatos do maior Partido da oposição percebem claramente que este é o desafio principal, o que é evidenciado pelos seus motes de campanha – “É tempo de vencer”, de Pedro Nascimento Cabral; e “Rumo à Vitória”, de Alexandre Gaudêncio. Interessa, pois, escolher aquele que reúna as melhores condições para vencer ao PS/Açores.

Não tenho qualquer dúvida que o melhor candidato é Pedro Nascimento Cabral. Por três motivos fundamentais a nível de conteúdo, de identificação pelo público e de suporte.

Comecemos pelo conteúdo. Do PSD/Açores espera-se proactividade, capacidade de antecipação dos problemas e de antevisão de janelas de oportunidade para o desenvolvimento da nossa Região. As pessoas estão naturalmente fartas do discurso político fácil, altamente crítico, mas pouco construtivo. Pedro Nascimento Cabral possui a experiência para defrontar, sem hesitações, mas principalmente com a fundamentação necessária para consubstanciar uma oposição credível a Vasco Cordeiro. Taco a taco, ao mesmo nível. Apresenta, ainda, um projecto ambicioso, com a coragem de não se escudar em discursos redondos, mas dizendo claramente o que pretende para a Região nos diversos domínios de actividade.

Esta capacidade de assumir claramente ao que se vai é altamente comprometedora. Dá azo à crítica, mas constitui a essência da Democracia. Não cede perante estratagemas de sobrevivência política, mas simplesmente se afirma na defesa do bem comum. A vantagem de não estar presentemente a desempenhar qualquer cargo político, o que é diferente de se ser apolítico, confere a Pedro Nascimento Cabral este potencial de confiança pública, com o qual as pessoas mais facilmente se identificam, e esta é uma grande mais-valia.

Já no que concerne à rede de suporte, está intimamente conexa com níveis de participação democrática em que os indivíduos se apresentam porque há espaço para o seu contributo. Pedro Nascimento Cabral lançou um projecto alargado, em que todos são chamados a participar, o que implica a defesa de espaços autonomizados de decisão política. Em Democracia não há espaço para a defesa da meritrocracia na sociedade, se não estiver presente na gestão interna partidária. Isto implica níveis de participação descentralizada, assente na estrutura nuclear que é o militante do Partido, que tem de sentir que vale a pena dizer “presente”. E é aqui que o projecto passa a ser, efectivamente, grandioso, maior do que o seu líder, porque passa a ser um projecto de todos.

Foi por isso que aceitei o honroso convite que o Pedro Nascimento Cabral me fez para ser a sua mandatária regional. É sempre mais cómodo cruzar os braços e deixar que a história marque o seu percurso. É até mais seguro um certo grau de descomprometimento, mas incompatível com o exercício da actividade movida por causas. Pelo bem comum, pela nossa Região, somos todos chamados a participar. Junte-se a nós, ao projecto de Pedro Nascimento Cabral, porque “é tempo de vencer”!

 

 

Link permanente para este artigo: http://maiscentral.com.pt/e-tempo-de-vencer-opiniao-de-sofia-ribeiro/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.