Despir o regime

Opinião de João Costa

João Bruto da CostaNuma estranha normalidade, vamos assistindo à louca correria de tudo quanto é comissário político ou candidato a tal, para que na rodada seguinte haja cadeira onde sentar o seu magnífico contributo para a continuação de um regime que serve o poder de um partido.

Uns mais velhacos, outros mais efusivos, mas sempre a mesma preocupação sobre quem vai para onde, servir o quê, em nome de qual facção!

Sempre com o pressuposto de que o Estado Regional é uma coutada só para sócios e simpatizantes e de que há uma fórmula de ganhar eleições em que de 4 em 4 anos se mostra serviço e se procura angariar votos à custa das necessidades que identificam em sectores mais vulneráveis da população.

Depois bradam, ufanos, que o seu governo é bom, que eles próprios são o espelho dessa suposta bondade e que milhares de milhões de euros e 20 anos depois, estão confiantes de que é por apagarem fogos de descontentamento que tudo se vai repetir. Porque as pessoas continuam agradecidas desta ou daquela oferta de ajuda para uns melhoramentos em casa, ou qualquer outra benesse lembrada como cobrança, mesmo que indevida.

Esquecem, porém, que em vez de mais um quarto ou mais um espaço habitado numa casa de uma ilha pequena, há mais um quarto vazio de quem foi em busca de um futuro que lhe foi negado na sua terra.

Esta velha receita eleitoral de constante recurso aos meios públicos para satisfação dos interesses partidários, em que os nomeados políticos integram as candidaturas do partido da posição e que enquanto poder deveriam assegurar a isenção dos serviços da administração mas muitos, como diligentes comissários políticos, dividem o seu tempo entre explicar o método para obter um apoio e a necessidade de votar em outubro na lista de que fazem parte.

A par de uma doutrina de que a manutenção do poder se faz de uma rotina quadrienal de resposta efémera a necessidades permanentes, há que juntar o medo ao cardápio de tácticas de conquista do voto.

O medo é uma constante na política açoriana, e isso, estranhamente, é também encarado com alguma naturalidade.

Há medo de não ver despachado um subsídio de um projecto, há medo de perder estatuto no serviço que se desempenha perante um chefe caciquista, há o medo de ser ultrapassado na promessa de um trabalho para um filho que acabou ou está a acabar uma formação, há o medo de que o poder, de alguma forma, atrapalhe a vida das pessoas, mande embora quem não colabora com ele ou, simplesmente, de ser apagado da listagem de cidadãos com direitos apenas porque o podem fazer.

E mesmo que isto não possa ser prática executada, porque seria sancionada, o medo está lá, a cultura do medo assume esse reflexo de ideias feitas com base num pressuposto: – se não estás com eles, estás contra eles!

Entre o medo e o desejo de não desagradar ao poder nem pela recusa de uma oferta nem pela simples cobiça alimentada pelo período eleitoral em curso, a naturalidade com que se vive esta relação entre eleitos e eleitores atingiu escalas só possíveis porque a receita do aliciamento ao voto em troca da ausência do medo de represálias beneficiava da falta de informação e de um certo sentimento de gratidão, como se de uma excepção se tratasse, ou de um favor que se ficava a dever.

Agora já não é bem assim. Agora existe maior dificuldade em encontrar quem esteja vulnerável ao aliciamento e ao medo, pois as pessoas têm já a experiência de 20 anos de promessas de dias melhores e aquilo a que assistem é, cada vez, a dias piores.

E mesmo servidas de uma coisa de que necessitavam, sabem que o seu futuro só melhora com outras soluções.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *