A razão para votar neste ou naquele partido — Opinião de Paulo Teixeira

teixeira-opiniaoFui candidato nestas eleições legislativas regionais e como tal procurei encontrar uma fórmula para me apresentar às pessoas e apelar ao voto no PPD/ PSD, partido pelo qual me dispunha a defender os jorgenses e a ilha de São Jorge. Como se pode verificar pelos resultados não tive sucesso no Concelho da Calheta e fui assim incapaz de resultar numa verdadeira mais-valia para a votação da ilha de São Jorge.

Uma pergunta que fiz a mim próprio e a várias pessoas, foi: “qual o factor que leva uma pessoa a decidir o seu voto neste ou naquele partido?”. Continuo, hoje, ainda com mais dúvidas sobre a resposta, mas conclui que:

– não pode ser o incumprimento das promessas eleitorais (promessas de 2008: Porto de Recreio da Calheta; Heliporto da R. Seca; Porto do Topo; Escola da Calheta, etc..), porque se assim fosse o PS teria perdido as eleições;

– não pode ser o sucesso da governação socialista que colocam os Açores na cauda do pelotão de um disparate de estatísticas, que Pedro Delgado se limitou a apontar e que indignou muitos açorianos, porque se assim fosse o PS teria perdido as eleições;

– não pode ser o trabalho dos deputados pela ilha de São Jorge em defesa dos jorgenses e da ilha, recorde-se a votação contra (isto é traição) do deputado eleito pelo PS para que não ficasse um barco a pernoitar na ilha de São Jorge, porque se assim fosse o PS teria perdido as eleições;

– não pode ser a falta de soluções para fixar jovens e consequentemente combater o despovoamento, que inclusive culminou na perda de um deputado para a ilha de São Miguel, porque se assim fosse o PS teria perdido as eleições;

– não pode ser as cada vez mais difíceis condições dos nossos produtores agrícolas, que se indignam com um pedido de informação sobre uma escavação para supostamente construir um curral de vacinação, mas que aceitam que durante 10 anos o Governo Regional não tenha feito nada para acautelar o fim das quotas leiteiras, porque se assim fosse o PS teria perdido as eleições;

– não pode ser pela informação escrita que nestas eleições encheu caixas e caixas de correio sem que as pessoas se dessem sequer ao trabalho de abrir para ver as imagens: -é política, então para o lixo! Porque se assim fosse a abstenção teria perdido as eleições.

Uma coisa tenho a certeza: – não são as promessas dos partidos, porque nessas já ninguém acredita. Ponto! Nisto estou de acordo com o ex: candidato a Presidente da República, Paulo Morais, quando afirmava que “partido do Governo que não cumpre o que se comprometeu com o eleitorado deve ser demitido”. Em política não pode valer tudo.

Tenho ouvido coisas diversas ditas sobre a importância de como: “só votando no partido da mão fechada …” haveria solução para isto e para aquilo. Há que tirar o chapéu e há que enfiar o chapéu! Afinal, 20 anos depois ainda se acredita que agora é que vai ser.

Por mim, pessoalmente, sinto-me vencido porque não mereci a confiança de maior número de eleitores e derrotado porque na minha ignorância, definitivamente e ao fim de tudo isto, ainda não consegui perceber a razão que leva o eleitor a votar neste ou naquele partido.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *